Visita promove troca de experiências entre jovens da América Latina

Publicado por Thaynara Policarpo
Campina Grande, 26 de julho de 2019

Um grupo de jovens que participa do Intercâmbio de Saberes nos Semiáridos da América Latina – Juventude e Agroecologia visitou a propriedade do jovem agricultor Joab Luciano Rodrigues, no assentamento João Pedro Texeira, em Mogeiro-PB.  O evento reúne cerca de 100 pessoas, entre elas jovens, mulheres, agricultores e agricultoras e técnicos/as de projetos que trabalham com desenvolvimento rural no Brasil, Argentina Bolívia, Paraguai. Nicarágua e El Salvador.

Durante a visita, o jovem Joab, que vive com os pais e dois irmãos, pode compartilhar suas experiências de manejo agroecológico, criação animal, e técnicas que aprendeu durante o curso técnico em agroecologia pelo Serviço de Tecnologia Alternativa (Serta) de Pernambuco. O agricultor também faz parte das dinâmicas do Fórum de Lideranças do Agreste (Folia) e ressalta a importância de estar presente nos espaços de construção coletiva da comunidade.

Ao passear pelo arredor de casa, Joab junto com seu pai Francisco Rodrigues, apresentou primeiro a casa de farinha e como é feita a produção, desde o plantio até a venda. Este ano, a família já plantou quase 4 hectares de mandioca, que é a principal fonte de renda da família atualmente.  A produção da farinha e da goma é feita semanalmente, em torno de dois a três dias por semana. Joab conta ainda que a venda é feita na comunidade e também na Feira Agroecológica de Mogeiro, da qual ele também faz parte. “A gente tenta investir ao máximo nos materiais que a gente utiliza na produção da goma. Meu pai comprou um rolo, que é utilizado para descascar a mandioca e isso permite que o trabalho da gente seja mais rápido e menos cansativo. Vender na feira também foi um avanço pra gente, porque não precisamos perde o valor da goma com atravessadores e ainda tem um diferencial, porque toda nossa produção é agroecológica, não utilizamos agrotóxicos”, falou Joab.

O agricultor também explica aos visitantes como nada é desperdiçado na propriedade. A farinha que não serve para a venda, depois de peneirada, é utilizada como forragem para os animais e as cascas da mandioca também. Além do roçado de mandioca e macaxeira, a família investe na criação de pequenos animais como porcos, galinhas e perus e ainda na produção de hortaliças para o consumo. Tem alface, pimentão, pimentas, tomate e ainda as plantas ornamentais, as medicinais e as árvores frutíferas de mamão, laranja, limão, dentre outras. Na horta, Joab também faz o plantio a partir de um Sistema Agroflorestal (SAF), fazendo um consórcio de plantas, isso permite que o ambiente seja autossuficiente, diminuindo a necessidade de insumos externos e, consequentemente, reduzindo os custos de produção.

Na propriedade tem um Sistema Simplificado de Reuso de Água, uma cisterna de água de beber e outra para produção. Seu Francisco, mais conhecido como Chico, conta que as duas estão cheias, “se tivesse mais espaço pra armazenar eu tinha armazenado mais, as chuvas, Graças a Deus, foram uma benção e tem sido bom aqui na região”, disse o agricultor.

Os jovens da Bahia, Pernambuco, Ceará, Minas Gerais, Nicarágua, Argentina, Guatemala e Paraíba que estiveram na visita, também puderam compartilhar suas experiências. A agricultora Oralia Raimundo, da Guatemala, falou sobre como o tomate cereja e o pimentão que viu na propriedade de Joab, é parecido com o que ela cultivado em seu país. A textura, o sabor, mas o que muda é o aspecto da folhagem.

No segundo momento, Joab explicou melhor a história da sua família, a trajetória pelo acesso a terra e como se deu a transição agroecológica. “Antes de fazer o curso eu pensava em ir embora daqui, trabalhar na cidade, mas depois que eu entrei no curso técnico eu comecei a perceber como é possível viver da agricultura, inovando, experimentando e ainda fazendo isso de forma agroecológica. Antes, minha família utilizava veneno na produção e depois que eu me formei, tentei aos poucos ir mostrando outras alternativas e hoje a gente tem uma nova forma de fazer agricultura”, ressaltou Joab. “Hoje eu estou estudando uma forma de fazer melhor a limpeza do solo, ou plantar sem precisar fazer essa limpeza, pois a gente gasta muito tempo e é bem cansativo”, enfatizou ainda o agricultor.  Falando também sobre as receitas naturais que utiliza na propriedade para o combate de pragas e doenças, como a calda bordalesa e outras receitas a base de pimenta.

A agricultora Oralia falou que se utiliza muito em sua região uma receita natural com alho, cebola e outras ervas, para evitar que esses pequenos matos cresçam e se perca tempo com a limpeza do solo. A agricultora Lisseth Escalante, da Nicarágua,  falou sobre um estudo de solos que já fez  para identificar a fertilidade e ainda para saber se o solo é arenoso, se está próximo do barro. Os jovens que já fizeram o curso de Agroecologia, também já participaram de um estudo semelhante e puderam trocar mais ideias sobre o tema.

Numa roda de conversa, o grupo percebeu como as experiências de estados e países diferentes são semelhantes e decidiram trocar e-mails com materiais e estudos agroecológicos, além de receitas para o combate de fungos e pragas.

O intercâmbio se encerra nesta sexta-feira, 26 de julho, em Solânea. O evento teve um formato de caravana, com início em Caruaru-PE, passando por Campina Grande, com visitas a comunidades rurais que se destacam na produção agroecológica, organização comunitária e acesso à água entre jovens. O jovem paraibano Gabriel Gutierrez , do assentamento Padre João, em Mogeiro, contou sobre a experiência de ter participado de um vento como este. “Eu achei super interessante o sistema agroflorestal que a gente conheceu em Belo Jardim, lá em Pernambuco.  A produção de hortaliças, que é o foco do jovem, é feita em menos de 1 hectare de terra. Ele também consegue ter uma boa renda com essa produção e ainda vende na feira agroecológica. Hoje eu pude conhecer o processo da farinha, aqui em Joab e essas experiências são muito importantes pra gente,  pro jovem agricultor se inspirar, conhecendo outras histórias”, afirmou Gabriel.

Saiba mais sobre o evento: http://centrac.org.br/2019/07/17/jovens-agricultores-de-cinco-paises-da-america-latina-visitarao-comunidades-rurais-da-paraiba-e-pernambuco/